quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Se o produto é de graça, então o produto é você

A maioria das pessoas possuem uma conta de e-mail ou até mesmo um perfil em rede social, porém, quase ninguém lê o contrato de adesão desses tipos de serviços. Já reparou na coincidência de sempre aparecer um produto que você precisa nas propagandas do site no qual você permitiu o acesso aos seus dados?


Além disso, você já percebeu que as tipografias das letras são colocadas na maioria das vezes com uma fonte pequena, sem serifa e em caixa alta (maiúsculas), justamente para dificultar a leitura do contrato, pois assim o texto vira um bloco de informação em vez palavras e espaços? Você tem alguma ideia para onde vão os nossos dados? Quem será que lê? Para quem interessa? Será que são vendidas? Para quem, já que são ou deveria ser informações privadas? Já pensou em quantos dados pessoais autorizamos (podendo haver atualizações no contrato) sem perceber o que há nas entrelinhas ou quantos dados sobre nós essas empresas têm? 

O consentimento serve para que a empresa possa reter seus dados por tempo que ela mesma desejar (já que não há garantia de remoção em sua totalidade) para evitar atos terroristas realmente? O governo tem o direito de ser protegido contra qualquer investigação não justificada, já que ao mesmo tempo segue as leis? O documentário mostra que empresas podem usar os seus dados até para prevenir uma comunicação particular e protestos, uma espécie de pré-crime igual no filme "Minority Report", onde o sistema permitia prever crimes com precisão e a taxa de assassinatos caísse para zero.

No entanto, o detetive John Anderton (personagem fictício) descobre que foi previsto um assassinato que ele mesmo fosse cometer, colocando em dúvida sua reputação ou quanto o sistema é confiável. Neste sentido, há um dilema moral: se alguém é preso antes de cometer o crime pode esta pessoa ser acusada de assassinato, pois o que motivou sua prisão nunca aconteceu? É como dizia o ditado: "Ás vezes pra se ver a luz é preciso se conhecer a escuridão". Como consequências disso, companhias começaram a explorar esses dados economicamente, criando uma gigantesca indústria de comércio de dados pessoais para empresas de publicidade direcionada, além de manterem as portas abertas para a espionagem dos cidadãos pelos seus governos sem nenhuma concessão, criando um estado de vigilância ininterrupta e quase onisciente. 

O documentário "Sujeito a Termos e Condições" investiga o acesso do governo e também das grandes corporações aos dados de usuários da internet, por meio de bancos de dados disponibilizados assim que o indivíduo aceita um termo de uso. Ao final, o documentário mostra que nenhuma lei dos EUA lidou com as políticas que permitissem que as agências do governo e as empresas abusassem de dados pessoais. No vídeo abaixo, você irá ver como governos e empresas podem invadir a sua privacidade pela internet.


Nota: O que você achou do vídeo?

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Será que somos realmente livres na internet?

A World Wide Web (rede mundial de computadores) foi concebida e construída a partir de um fundamento principal: a liberdade pela conexão em rede, e não demorou para se tornar o carro-chefe da liberdade de expressão. Com ela, passamos de consumidores de informação para também produtores de conteúdo.


Para termos uma noção, a China levantou uma verdadeira muralha para barrar as redes sociais e censurar buscas na internet. Para escapar desse bloqueio, os usuários utilizam redes privadas virtuais, as chamadas VPNs, elas criam um túnel de conexão protegido por criptografia que atravessa a muralha virtual até um servidor em outro país. Além disso, as citações ao Massacre da Praça da Paz Celestial e fatos ligados aos movimentos de Independência de Taiwan e do Tibet simplesmente não são encontrados.

Neste sentido, surgem algumas questões importantes: O quanto somos realmente livres na internet para acessar conteúdos e também nos expressarmos? Quem governa a rede? Com quais seriam esses interesses? Será que temos privacidade, de fato, já que para possuirmos ela, precisamos também concordar com os seus Termos de Uso (sempre que houver mudanças) e para usar obviamente, você terá que dar acesso ao seu microfone e câmera do dispositivo, por exemplo, para que o sistema possa gravar (todos esses dados e usá-los quando for preciso), filtrar, analisar, armazenar e avaliar todo seu comportamento, com finalidade segundo o próprio presidente Barack Obama de prevenir ataques terroristas?

Onde ficam os direitos humanos? Quem garante o direito de todos os cidadãos a uma conexão rápida e de baixo custo? Essas e outras questões são debatidas do documentário Freenet por especialistas e ativistas, como Lawrence Lessig, Sérgio Amadeu da Silveira, Jacob Appelbaum, Glenn Greenwald, Edward Snowden, Frank La Rue, Nnenna Nwakanma, Catalina Botero, entre outros. O filme passeia pela África, Índia, Estados Unidos, Brasil e Uruguai, mostrando iniciativas e obstáculos para a democratização do acesso à internet e para a garantia de neutralidade da rede.



Nota: O que você achou do vídeo?

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

BigLar emociona em ação para o Dia dos Pais

O Dia dos Pais é uma data bastante especial, e tanto para ele como para o filho, a importância é enorme. E para comemorar este dia, a agência Genius Publicidade, de Cuiabá, apresenta sua campanha "Conselho" para a rede de supermercados BigLar que tem operações em Cuiabá e Várzea Grande, em Mato Grosso.



O objetivo desta campanha é lembrar ao público que as crianças crescem rápido e além disso, convidar os pais a deixarem de lado seus compromissos considerados importantes para estar próximo dos filhos, pois a intenção é incentivar os pais a passarem mais tempo com seus filhos e evidenciar de forma clara que os pais, de fato, fazem a diferença na vida deles.

É importante destacar que nos dias atuais, já não são raros os pais que compartilham com as mães as responsabilidades antes designadas somente a elas. Já é possível vê-los com certa frequência, também, envolvidos nos cuidados práticos dos quais dependem os filhos desde o nascimento, como dar banho, trocar a fralda ou quem sabe até mesmo preparar as refeições. Também não é difícil encontrar, hoje em dia, pais que se dedicam à educação dos pequenos propriamente dita, nos mais diversos sentidos.

Vale a pena dedicar um certo tempo para os momentos de lazer ao lado das crianças. Várias pesquisas já demonstraram que mais vale a qualidade do período que se passa junto do que a quantidade. Também já se sabe muito que se aprende durante as brincadeiras ou no tempo dedicado ao ócio ao lado dos filhos. E aliás, ser pai é acima de tudo ser o amigo de todas as horas.


Nota: O que você achou do vídeo?

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

The Gemidão of Zap, a obra-prima da internet

Uma das vozes femininas mais ouvidas do Brasil na atualidade é da Alexis Texas, uma atriz pornô. Sim, isso mesmo! De nome, talvez pouca gente conheça, porém, o áudio "Gemidão do WhatsApp" que circula pelos comunicadores instantâneos ficou bastante conhecido e tem atormentado os brasileiros nos últimos meses.


Provavelmente você ou alguém próximo, quem sabe, já deve ter caído nesta pegadinha do "Gemidão do WhatsApp" tentando abrir aquele vídeo duvidoso em público de última hora através de algum amigo seu, e quando é pego de surpresa com aquele som desconfortável de uma mulher gemendo de prazer, acaba ficando em uma situação constrangedora. Quem nunca caiu nesta pegadinha? Realmente, os brasileiros são as pessoas mais criativas quando se trata de criar novas formas de sacanear os outros.

O redator Leonardo Barbosa e o diretor de arte Paulinho Duarte, dupla de criação na agência VML estavam um dia conversando e decidiram que essa brincadeira merecia ser reconhecida pelo mundo inteiro. Com ajuda do João Villa Savatin do canal "Gente Sente Aqui", no Youtube, eles criaram o "case" chamado "The Gemidão of Zap" para enfatizar essa obra-prima da internet brasileira.



Nota: O que você achou do vídeo?

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A realidade cruel sobre o uso de agrotóxicos

De fato, os agrotóxicos não fazem bem para ninguém, porém, o Brasil ainda é o país do mundo que mais os consome. Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências sobre o uso de agrotóxicos no documentário "O veneno está na mesa", o diretor Sílvio Tendler apresenta o seu segundo filme da série.


Sobre uma nova perspectiva, o documentário "O veneno está na mesa 2" atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual, fazendo um alerta sobre o uso indiscriminado de agrotóxicos na agricultura brasileira, além de mostrar suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores.

O documentário foi criado para mostrar de forma bem clara e objetiva de que o país precisar tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica? O outro alerta à população mostra como estamos nos alimentando mal e perigosamente por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio. O perigo se estende aos trabalhadores rurais que são os quem manipulam os venenos, os animais, além de destruir a terra, poluir o ar e a água.

No embate destes interesses entre o o agronegócio e a saúde pública, logo temos a saúde sacrificada. Quando se fala em combate às pragas, devemos saber que a praga é o próprio veneno. O estudo mostra que pelo menos cerca de 130 empresas fabricam agrotóxicos no Brasil, sendo que seis delas (Basf, The Dow Chemical, Bayer, Syngenta, DuPoint e Monsanto) representam 68% do mercado.



Nota: O que você achou do vídeo?

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O mundo é a nossa casa: Você acredita nisso?

Lançado em 2009, produzido pelo jornalista, fotógrafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand, o documentário "O mundo é a nossa casa" é inteiramente composto por imagens aéreas de vários lugares da Terra e sua diversidade. Além disso, mostra como a humanidade está ameaçando o equilíbrio ecológico.


Este documentário além de mostrar que 20% da população consomem 80% dos recursos do planeta, também faz-nos uma reflexão sobre as várias interferências humanas em todas as riquezas existentes do planeta. Em seguida, ele leva-nos numa viagem original à volta da Terra, para que possamos contemplá-la de forma plena, além de ajudar-nos a perceber a nossa relação com o nosso planeta. Nele, são revelados as suas preciosidades que ela nos oferece e as marcas que deixamos para trás, com apenas um único objetivo: encorajar-nos a proteger o nosso mundo.

Desde nossa origem, água, ar e formas de vida estão intimamente ligados. Dizemos que o mundo é a nossa casa porque é nele que nós deveríamos viver todos como uma grande família nesta enorme casa. Porém, parece que em um determinado momento rompemos essas ligações e a família ficou dividida e o mundo deixou de ser a nossa casa. Há uns que vivem como senhores e os outros como escravos. Tudo que vemos é nada mais que o reflexo de nosso comportamento.


Nota: O que você achou do vídeo?

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Governo Temer em paródia de Noviça Rebelde

O canal de humor chamado Embrulha pra Viagem no Youtube fez uma paródia com a história de "A Noviça Rebelde" para explicar essa atual crise do governo Michel Temer. A atriz Bruna Guerin de "Cantando na Chuva" interpreta o papel de Marcela Temer, ocupando o lugar de Maria Von Trapp na música "Dó-Ré-Mi".


A narrativa do musical faz um contraste entre o universo infantil e a política nacional para mostrar de uma forma bem-humorada os polêmicos acontecimentos atuais que ocorreram em nosso país. O vídeo também conta com a participação de Chiara Scallet, Bia Dalmolin, Sofia Penna, Bruno Shiraishi Costa do elenco de "Carrossel, o musical" e Roberto Justino.

Além disso, a peça mostra que um clássico nunca envelhece e até mesmo nem se mostra ultrapassado, até porque ainda que suas aparências possam demonstrar um certo inevitável desgaste, sua essência permanece ativa, oferecendo respostas para questões que vêm ocupando frequentemente o pensamento humano. A direção e roteiro é de Marcelo Laham, com fotografia e edição de Philip Silveira.


Nota: O que você achou do vídeo?

Buscar

 

Facebook

Publicações recentes


Parceiros

CupomVálido

Arquivos