segunda-feira, 16 de maio de 2022

A grande mudança do trigo ao longo dos anos

Milhares de pessoas sofrem com problemas de saúde ligados às suas escolhas alimentares. O documentário mostra as mudanças enormes que o trigo vem sofrendo ao longo dos anos e fala sobre o crescimento da sensibilidade desenvolvido hoje ao trigo e ao glúten, também associado a doenças autoimunes (ou seja, ao mau funcionamento do sistema imunológico, levando o corpo a atacar os seus próprios tecidos).

O trigo está em praticamente tudo e também é enaltecido na religião na sua representação indispensável no corpo de Cristo. Antigamente, o café da manhã era basicamente de bacon e ovos e, após isso, houve um crescimento dos sucrilhos (alimento com bastante açúcar e sódio, dois vilões da saúde), que dispararam em popularidade como opção matinal favorita da família americana moderna. E foi neste ponto que começou a história de gordura vilã e carboidrato mocinho. E afinal, o que estamos realmente ingerindo?

Atualmente, os alimentos saem de laboratórios químicos. As crianças consomem cereais refinados (ricos em carboidratos e pobres nos nutrientes), leite de caixinha (com conservantes), açúcar, margarina, óleos vegetais (em excesso é nocivo ao organismo), ou seja, há quase nada nesse café da manhã que nutra. O documentário diz que toda doença que existe na Terra é criação do ser humano. Além disso, também mostra que para termos um corpo saudável, precisamos voltar as nossas origens em vez de depender dos remédios convencionais, isto é, comer verduras, o suficiente de proteínas, mexer o corpo praticando exercício físico e com sorte uma família carinhosa, pois é assim que se gera saúde.

Nota: O que você achou do vídeo?

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Uma conversa com o investidor Elon Musk

O que está na mente do empreendedor Elon Musk? Nesta conversa exclusiva com o chefe do TED Chris Anderson, Musk detalha as suas inovações nas quais ele está trabalhando, o robô humanoide inteligente Optimus da Tesla, a nave estelar da SpaceX e as interfaces cérebro-máquina inplantáveis da Neuralink.

Segundo Musk, precisamos de baterias para armazenar a energia solar e eólica, porque o sol não está sempre a brilhar, bem como também o vento não está sempre a soprar. Além disso, ele fala sobre o fator fundamental limitado da produção de baterias de iões de lítio (quais são recarregáveis, porém diminuem ligeiramente com cada ciclo de carga completo) e sobre formas que podem ajudar a maximizar a vida útil da humanidade e criar um mundo onde bens e serviços sejam abundantes e acessíveis a todos.

Na área de inteligência artificial, Musk diz que as redes das estradas são concebidas para funcionar como uma rede neural biológica, pois os perigos estão relacionados a dissociação (alteração na consciência que distancia as pessoas da realidade) da vontade humana coletiva e explica dizendo que talvez nós somos apenas macacos com um computador enfiado no cérebro. Neste sentido, surge a questão: os humanos são melhores que os macacos no teste de memória? E talvez em uma partida de ping-pong

Ao final da entrevista, ele diz que a razão por ele fazer isso não é para evitar ficar triste com o futuro e sim devido ser importante para maximizar a provável esperança de vida da humanidade e expandir o âmbito e a dimensão da consciência. Aproveite para ativar as legendas em português no vídeo abaixo.

Nota: O que você achou do vídeo?

terça-feira, 19 de abril de 2022

Jogo falso que incentiva brincadeira ao ar livre

projeto chamado "Dirt is Good" (Sujeira é boa) da Persil (Omo) tem como objetivo incentivar as crianças a brincar ao ar livre. Criada pela agência Lola MullenLowe de Madri, e pela Golin, de Londres, a campanha é uma imitação de um trailer de um novo jogo de videogame como forma de atrair os usuários de jogos.

A campanha atraiu influenciadores para convencer o público de que eles estavam assistindo a um trailer de um novo jogo. O material de marketing falso foi enviado para seis influenciadores, com um alcance combinado de 10,2 milhões, no Instagram e Twitch. O vídeo usou o mecanismo de jogo Unreal 5, que sua desenvolvedora norte-americana Epic Games está tentando posicionar como uma solução de marketing tanto quanto uma ferramenta de jogo.

O trailer em si apresenta um grupo de crianças correndo por uma floresta, onde parece ser um jogo de sobrevivência. Cobertos de lama, eles se agacham atrás das árvores, atravessam uma ponte e tentam escalar uma colina rochosa. Eventualmente, porém, uma jovem emerge da floresta e dá um tapinha no ombro de um menino, dizendo: "Tag, você é o cara". Ao final, a campanha termina mostrando que o jogo está apenas disponível na vida real. Confira o trailer no vídeo abaixo.

Nota: O que você achou do vídeo?

segunda-feira, 4 de abril de 2022

Futuro da humanidade por Yuval Noah Harari

Este é um trecho da palestra anual do professor israelense de história Yuval Noah Harari feita no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. No discurso, ele fala sobre o futuro de nossa espécie e também da vida, pois somos provavelmente uma das últimas gerações de homo sapiens, dentro de um século ou dois.

A Terra será dominada por entidades que são mais diferentes de nós do que nós somos dos neandertais (espécie prima humana extinta com o qual o homem moderno conviveu) ou dos chimpanzés, porque nas futuras gerações aprenderemos como fabricar corpos, cérebros e mentes, acrescenta Harari. Além disso, o professor questiona: Como exatamente se parecerão os futuros mestres do planeta?

Isso porque os dados atualmente são as posses mais valiosas no mundo moderno. E por que os dados são importantes? Porque chegamos ao ponto onde podemos hackear não apenas os computadores, mas seres humanos e também outros organismos para vigiar, analisar e armazenar tudo o que você faz diariamente para entender como você se sente ou pensa. E através da coleta dos dados, será possível prever desejos, manipular emoções e tomar decisões pela pessoa. Diante disso, Harari diz que devemos ser cuidadosos, pois o resultado disso pode ser o surgimento de ditaduras digitais, até porque já no presente, estamos vendo a formação de regimes de vigilância mais sofisticados pelo mundo todo.

Nota: O que você achou do vídeo?

terça-feira, 15 de março de 2022

Os bastidores da mídia e sua rede de intrigas

Este é um trecho do filme de comédia chamado "Network" (Rede de intrigas) do ano de 1976, dirigido por Sidney Lumet, que apesar do filme já ter mais de quarenta anos, ainda continua bastante atual. Nele, o apresentador explica como funciona os bastidores da mídia e como ele se processa nas relações de poder.

Na mídia tradicional, as notícias se valem de um roteiro típico de noticiário em busca da audiência, unida ao desinteresse da população em tom alarmante torna-se um cenário ideal para o sensacionalismo e o espetáculo. Em uma época onde os conglomerados estão acima de Estados e Nações, hoje as grandes ideologias e os partidos compactuam com esse tipo de lógica de um único sistema financeiro internacional.

No filme, o apresentador âncora de telejornal fica sabendo que iria ser demitido dentro de uma semana por causa da baixa audiência do programa. Então, ele anuncia que vai se suicidar em rede nacional no seu último dia na emissora. No entanto, antes disso ele faz um discurso e começa a denunciar a hipocrisia da sociedade. Por esta razão, o público começa a ficar curioso e os índices de audiência do programa voltam a crescer e ele passa a ser conhecido como um louco profeta.

O que ninguém esperava é que essa sua atitude, talvez impensada, pudesse trazer tanta mídia assim para emissora como em um muito tempo não havia. Em suma, o roteirista mostra como se constrói um programa baseado na audiência, apenas na necessidade de atrair mais espectadores, ao invés do conteúdo genuíno, se na maioria das vezes irá repetir o mesmo formato em sua linha editorial para preencher o espaço na grade de programação e do quão descartável qualquer um pode se tornar de forma instantânea.

Nota: O que você achou do vídeo?

quarta-feira, 2 de março de 2022

A arte da atenção por Wendy MacNaughton

Cada um de nós desenhávamos quando éramos pequenos. Em um convite para desacelerar e olhar o mundo ao seu redor, a ilustradora Wendy MacNaughton nos mostra como o desenho pode desencadear conexões profundamente humanas e autênticas. Está pronto? Pegue um lápis e junte-se nesta palestra no TED.

Nele, a ilustradora revela um pequeno truque para que possamos reprogramar o cérebro com o objetivo de voltar a observar, ou seja, fazer algo que as pessoas fazem raramente, um contato olho no olho com alguém, sem se esquivar. Além disso, ela diz que estudos mostram que desenhar é uma das maneiras mais eficazes para as crianças processarem as suas emoções, inclusive traumas, isso porque desenhar nos ajuda a falar sobre coisas difíceis.

Aliás, hoje em dia temos tanta informação chegando até nós o tempo todo que o cérebro literalmente não consegue processar, e acabamos preenchendo o mundo com padrões. Muito do que vemos são nossas próprias expectativas. Ao final, ela diz que depois dos últimos anos que tivemos, acha que todos precisam de uma chance de observar atentamente uns aos outros e nós mesmos, e de dizermos sobre o que vemos.

Nota: O que você achou do vídeo?

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

Os ingredientes artificiais do nosso dia a dia

Para comunicar a remoção de 87% dos ingredientes de origem artificial de seu cardápio, a rede de fast-food Burger King está aproveitando o momento para levantar um debate sobre o seu próprio setor, que tem histórico de uso de ingredientes para que seus produtos durem mais, aroma melhor ou até mais cor.

A nova campanha da intitulada "Comida de verdade" criada pela agência David, faz um questionamento: "Se ninguém quer corantes, conservantes e aromatizantes artificiais na comida, por que ainda tem gente colocando?", talvez para ela mesma, até porque a própria contribuiu com esse comportamento e também de certa forma acabou se beneficiando deste modelo de negócio. Neste sentido, surge a questão: Será que os donos das empresas estão preocupados com a saúde dos consumidores ou somente na saúde financeira da companhia?

A ação retrata "reações reais" (ao menos, essa é a ideia inicial) registradas nos restaurantes da rede, com a participação dos consumidores sendo atendidos e surpreendidos a cada pedido realizado, onde um ator, se passando por funcionário, oferece um corante extra, conservante ou aromatizante de origem artificial no pedido, como sorbato de potássio, glutamato monossódico e benzoato de sódio. No geral, os clientes foram unânimes em responder às questões de forma negativa, endossando os insumos.

Em setembro de 2020, o Burger King comunicou que havia removido todos os ingredientes artificiais de seu carro-chefe: o Whopper. A transformação exigiu três anos de pesquisas desenvolvidas internamente, em conjunto com fornecedores, além de muito investimento em tecnologia. A iniciativa global faz parte do movimento chamado "Feel Good About the Food" e a ideia da companhia é ficar 100% livre de ingredientes de origem artificial até 2025. 

Nota: O que você achou do vídeo?

Buscar

 

Facebook

Publicações recentes


Parceiros

CupomVálido